Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/130717
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorMariana Catarina Moreira Gonçalves de Lima
dc.date.accessioned2021-05-03T23:29:28Z-
dc.date.available2021-05-03T23:29:28Z-
dc.date.issued2020-12-03
dc.date.submitted2020-11-11
dc.identifier.othersigarra:432794
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/10216/130717-
dc.descriptionO ser humano é um ser sexuado e compreender a sexualidade implica considerar os aspetos físicos, psicológicos, sociais e culturais. É um aspeto que nos acompanha desde o nascimento até à morte, despertando o interesse da comunidade científica. A sexualidade é culturalmente associada, sobretudo, ao prazer físico, mas também à satisfação emocional. A investigação demonstra que uma vida sexual satisfatória é essencial para o bem-estar na idade adulta e que a satisfação experienciada neste domínio pode ter repercussões diversas na vida global de cada um. O avançar da idade implica mudanças físicas, também relacionadas com a menopausa e andropausa, que interferem no funcionamento sexual e que atuam no ajustamento psicológico. O objetivo geral deste estudo é conhecer as atitudes de homens e mulheres, entre os 40 e os 60 anos, sobre a sua relação de intimidade com pelo menos 10 anos. Pretende-se avaliar a forma como vivenciam a sua sexualidade, nomeadamente a sua satisfação com a vida sexual e, consequentemente, como avaliam o seu relacionamento, em função de determinadas variáveis sociodemográficas: sexo, idade, duração do relacionamento e número de relacionamentos ao longo da vida. A amostra deste estudo quantitativo é constituída por 177 pessoas, 54 homens e 123 mulheres, com uma idade média de 49.99 anos. 93.7% dos/das participantes encontram- se num relacionamento heterossexual. A média de anos de relacionamento é de 23.91. Verificou-se que o declínio sexual tende a crescer com o aumento dos anos de relacionamento, influenciando, de forma negativa, a satisfação com a vida sexual e a avaliação do relacionamento. O grupo que indicou ter tido um ou dois relacionamentos ao longo da sua vida evidenciou uma maior satisfação com a vida sexual. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre homens e mulheres. Numa perspetiva de transição para a velhice, sobretudo bem-sucedida, consideramos de extrema importância a utilização/introdução do modelo Good Enough Sex de forma a incentivar os casais a procurarem um significado realista e positivo da sua intimidade. Para uma maior aplicabilidade e compreensão, deverão ser elaboradas mais pesquisas nesta área, aliando os estudos quantitativos aos qualitativos, especialmente dada a subjetividade dos conceitos presentes.
dc.language.isopor
dc.rightsopenAccess
dc.subjectPsicologia
dc.subjectPsychology
dc.titleTransição para a velhice: sexualidade e avaliação do relacionamento em homens e mulheres entre os 40 e os 60 anos de idade
dc.typeDissertação
dc.contributor.uportoFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
dc.identifier.tid202557383
dc.subject.fosCiências sociais::Psicologia
dc.subject.fosSocial sciences::Psychology
thesis.degree.disciplineMestrado Integrado em Psicologia
thesis.degree.grantorFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
thesis.degree.grantorUniversidade do Porto
thesis.degree.level1
Appears in Collections:FPCEUP - Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
432794.pdfTransição para a velhice: sexualidade e avaliação do relacionamento em homens e mulheres entre os 40 e os 60 anos de idade773.76 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.