Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/123978
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorTelma Luísa Azevedo Santos de Castro
dc.date.accessioned2022-09-07T06:31:37Z-
dc.date.available2022-09-07T06:31:37Z-
dc.date.issued2019-11-14
dc.date.submitted2019-11-20
dc.identifier.othersigarra:365727
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/10216/123978-
dc.descriptionAs investigações sobre a imagem corporal foram expandidas até à obtenção de um novo e multifacetado construto, o da imagem corporal positiva (IC Positiva). Este pode ser definido como um amor valorativo e respeitoso pelo corpo que possibilita aos indivíduos apreciar a sua beleza e as funções que ele desempenha, sentindo-se, assim, felizes e gratos com o seu corpo. A obesidade é encarada como sendo uma doença crónica e de origem multifatorial da qual fazem parte fatores genéticos, hormonais, neuronais, metabólicos, ambientais, comportamentais, psicológicos e económicos. Atualmente, é vista como um problema de saúde pública. Sendo esta uma doença cujas variáveis psicológicas exercem uma forte influência quer na sua génese como no seu desenvolvimento, o estudo da IC Positiva, nomeadamente nas pessoas que manifestam a doença em graus mais graves, poderá contribuir para a compreensão do papel que esta variável pode ter no curso e no tratamento da doença. Este estudo visou explorar as diferenças entre indivíduos com obesidade e sujeitos normoponderais, ao nível das diferentes facetas da IC Positiva (apreciação, aceitação, funcionalidade e crenças na aparência), das dificuldades de regulação emocional (RE) e do estado emocional (afetividade positiva e negativa e sintomatologia ansiosa e depressiva). Adicionalmente, explorou-se a associação entre a IC Positiva e as variáveis do domínio emocional em ambos os grupos. Nestas análises utilizou-se uma amostra de 40 indivíduos com obesidade e 45 com peso normal. Os resultados demostraram que o grupo de sujeitos com obesidade obteve valores inferiores de IC Positiva (apreciação, aceitação e funcionalidade corporal) quando comparado com o grupo não clínico. Relativamente, às dificuldades de RE e estado emocional não se constataram diferenças significativas entre os grupos. Verificou-se, também, que a apreciação corporal e aceitação do corpo pelos outros se associam negativamente e significativamente com as dificuldades de RE. Por sua vez, o investimento na aparência relacionou-se positivamente com a mesma variável. Estas informações permitem-nos atribuir uma forte e clara relação entre este domínio e a IC Positiva na população com obesidade, possibilitando ganhos terapêuticos no seu tratamento e prevenção.
dc.language.isopor
dc.rightsopenAccess
dc.subjectPsicologia
dc.subjectPsychology
dc.titleA aceitação do corpo na doença: estudo da imagem corporal positiva na obesidade
dc.typeDissertação
dc.contributor.uportoFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
dc.identifier.tid202312348
dc.subject.fosCiências sociais::Psicologia
dc.subject.fosSocial sciences::Psychology
thesis.degree.disciplineMestrado Integrado em Psicologia
thesis.degree.grantorFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
thesis.degree.grantorUniversidade do Porto
thesis.degree.level1
Appears in Collections:FPCEUP - Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
365727.pdfA aceitação do corpo na doença: estudo da imagem corporal positiva na obesidade569.13 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.