Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/121017
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorIsabel Maria Poças Antunes Guimarães
dc.date.accessioned2019-08-30T23:09:03Z-
dc.date.available2019-08-30T23:09:03Z-
dc.date.issued2019-07-01
dc.date.submitted2019-07-09
dc.identifier.othersigarra:341587
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/10216/121017-
dc.descriptionO cancro da mama é responsável por inúmeras mudanças no quotidiano da mulher,obrigando-a a lidar com emoções de grande intensidade. Assim, destaca-se a importância douso de estratégias que visem a regulação emocional, como a reavaliação cognitiva e asupressão expressiva. Ao mesmo tempo, é comum encontrar-se diversas dificuldades naregulação emocional que importa compreender para, posteriormente, as tentar superar. Tantoo uso de estratégias como as dificuldades não são construtos estanques, relacionando-se comoutros conceitos como a depressão, a ansiedade, o stress, e o bem-estar. Neste sentido, esteestudo visa caraterizar o uso de estratégias e as dificuldades de regulação emocional, eexplorar as relações dessas variáveis com fatores sociodemográficos e clínicos, com o bem-estar e com estados afetivos. Por fim, visa estudar o caráter preditivo das dificuldades faceàs estratégias de regulação emocional. A amostra integrou 95 mulheres diagnosticadas comcancro da mama, que responderam a um questionário sociodemográfico e a outro clínico, eàs versões portuguesas do The Emotion Regulation Questionnaire, da Difficulties in EmotionRegulation Scale, da Depression, Anxiety and Stress Scale e do Functional Assessment ofCancer Therapy - General. Os resultados realçaram uma tendência para o uso da estratégiade reavaliação cognitiva, por oposição à supressão expressiva, ainda que as que doentes queusem uma, tendam a utilizar a outra. A dificuldade mais acentuada centra-se no agir rumo aum objetivo. Contrariamente ao esperado, entre as estratégias e as dificuldades de regulação,apenas se encontrou uma relação significativa entre a reavaliação cognitiva e a dificuldadeno acesso limitado a estratégias de regulação emocional, o que inviabilizou a realização demodelos preditivos. De salientar a relação inversa dos anos de escolaridade com a estratégiade supressão expressiva. Em relação aos estados afetivos, a depressão correlaciona-se deforma significativa com a reavaliação cognitiva, e quase todas as dificuldades de regulaçãoemocional se correlacionam com a depressão, a ansiedade e o stress. O bem-estar global ealguns dos seus domínios correlacionam-se de forma direta com a estratégia de reavaliaçãocognitiva, e de forma inversa com quase todas as dificuldades de regulação emocional. Porfim, este trata-se de um estudo inicial em torno desta temática e respetivas relações, havendo,ainda, um longo caminho a percorrer em investigações futuras.
dc.language.isopor
dc.rightsopenAccess
dc.subjectPsicologia
dc.subjectPsychology
dc.titleA regulação emocional no cancro da mama
dc.typeDissertação
dc.contributor.uportoFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
dc.identifier.tid202262499
dc.subject.fosCiências sociais::Psicologia
dc.subject.fosSocial sciences::Psychology
thesis.degree.disciplineMestrado Integrado em Psicologia
thesis.degree.grantorFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
thesis.degree.grantorUniversidade do Porto
thesis.degree.level1
Appears in Collections:FPCEUP - Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
341587.pdfA regulação emocional no cancro da mama962.43 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.