Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/119882
Author(s): Polónia, Amélia
Costa, Cátia Miriam
Title: Colonial heritage in Latin America : Damnatio Memoriae or transcultural dialogue?
Issue Date: 2018
Abstract: How the past is appropriated by contemporary actors is subject to multiple dynamics, involving different stakeholders and contested interpretations. e emergence of a heritage industry adds a variety of actors to the debate, including decision-makers, archaeologists, social and cultural academics, businesspeople and entrepreneurs, each one with a different perspective (FALSER & JUNEJA, 2013: 1). More recently, local communities were added to these debates as some projects involving heritage sites were contested or even failed altogether. A considerable part of the heritage projects was associated with touristic plans and imposed massive numbers of visitors to some places seen as essential to the identities of such local communities, at times disregarding their memories, symbolic meanings or past interpretations. Some authors have pointed out diverse issues around colonial heritage, mainly seen as the aftermath of a colonial system (STOLER, 2013: 2). Discourses based on colonial perspectives, and the fact that some institutions and material heritage are still associated with oppression and foreign domination, (MCATACKNEY & PALMER, 2016: 473) exacerbate this process. The result is a difficult assimilation of some sites or components of that heritage by today's communities, calling for the recognition of autochthone identities and values. One of the reasons for refusing to accept this heritage is that the concept of keeping and preserving is rather different from the western concept of heritage preservation. e former includes, e.g., the invasion of heritage sites by nature (e.g., forest overgrowing built-up areas), that can be accepted as a natural ending of a built patrimony which lost its functions and makes room for new practical uses, including recovering the uses of that territory in pre-colonial times (LUCO, 2013: 256).
Description: A maneira como o passado é apropriado pelos atores contemporâneos está sujeita a múltiplas dinâmicas, envolvendo diferentes stakeholders e interpretações contestadas. O surgimento de uma indústria do património acrescenta uma variedade de atores ao debate, incluindo: decisores, arqueólogos, acadêmicos sociais e culturais, empresários e empresários; cada um com uma perspetiva diferente (FALSER & JUNEJA, 2013: 1). Recentemente, as comunidades locais foram adicionadas a esses debates, já que alguns projetos envolvendo sítios históricos foram contestados ou falharam completamente. Uma parte considerável dos projetos patrimoniais estava associada a planos turísticos e impunha um grande número de visitantes a alguns locais considerados essenciais para as identidades dessas comunidades locais, às vezes desconsiderando suas memórias, significados simbólicos ou interpretações passadas. Alguns autores apontaram diversas questões em torno da herança colonial, principalmente vistas como resultado de um sistema colonial (STOLER, 2013: 2). Os discursos baseados em perspetivas coloniais e o fato de algumas instituições e património material estarem ainda associados à opressão e à dominação estrangeira (MCATACKNEY & PALMER, 2016, p. 473) exacerbam esse processo. Como resultado temos uma difícil assimilação de alguns locais ou componentes desse património pelas comunidades atuais, que exigem o reconhecimento de identidades e valores autóctones. Uma das razões para se recusar a aceitar essa herança é que o conceito de manter e preservar é bastante diferente do conceito ocidental de preservação do património. O primeiro inclui, por exemplo, a invasão de sítios históricos pela natureza (por exemplo, áreas edificadas de floresta) que podem ser aceites como um fim natural de um património construído que perdeu suas funções e abre espaço para novos usos práticos, incluindo a recuperação. os usos desse território em tempos pré-coloniais (LUCO, 2013: 256).
Subject: Geografia humana
Human geography
URI: https://hdl.handle.net/10216/119882
Source: Boas práticas para políticas públicas de memória, ciência e património
Document Type: Capítulo ou Parte de Livro
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUP - Capítulo ou Parte de Livro

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
334665.pdf111.32 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.