Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/115413
Author(s): Pereira, Gaspar Martins
Cruz, Marlene
Title: Origem e distinção : as marcas de vinhos no final do século XIX
Issue Date: 2017
Abstract: The end of the 19th century was marked by profound changes in wine growing, with post phylloxerarestructuring and a high degree of instability in the wine markets, growing competition, and the proliferationof imitations and falsifications of the main types of wines from well known denominations. At thesame time, though, the first steps were taken to regulate trademarks, intended to repress unfair competitionand the abusive use of false or misleading indications of origin. In Portugal, the «trademark law» was enacted,dated 4th June 1883, following the signing in March that year of the Paris Convention for the Protection ofIndustrial Property, which gave rise to the registration of trademarks and brands for a wide range of products.Based on a survey of the registered trademarks between 1883 and 1900, in which there are a significantnumber of wine brands and wine products, this paper intends to understand how the different commercialagents resorted to rural images associated to the wines regions of origin, as elements of distinction andenhancement of their brands. After intersecting the brands and denomination of origin, as well as the differentinterests involved, from producers to retailers, the importance attributed to the characteristics of wine (grapevarieties, qualities, categories, and wine making processes and ageing, etc.) will be analysed.
Description: Em finais do século XIX, num contexto de profundas transformações da produção vitivinícola, coma reconversão pós-filoxérica, e de grande instabilidade dos mercados de vinhos, com o desenvolvimento daconcorrência e com a proliferação de imitações e falsificações dos principais tipos de vinhos de denominaçõesreconhecidas, assiste-se à emergência do direito das marcas comerciais, visando reprimir as práticas deconcorrência desleal e a utilização abusiva das indicações de proveniência falsas ou falaciosas. Em Portugal,a aprovação da «lei das marcas» de 4 de Junho de 1883, na sequência da assinatura, em Março desse ano, daConvenção da União de Paris para a protecção da Propriedade Industrial, iria dar origem à criação do registode marcas comerciais para os diversos produtos.A partir do levantamento das marcas registadas entre 1883 e 1900, em que se verifica uma forte presença demarcas de vinhos e produtos vinícolas, procuramos perceber de que forma os diferentes agentes comerciaisrecorreram a imagens rurais associadas às regiões de origem dos vinhos, como elementos de distinção evalorização das suas marcas. A par dessa articulação entre marcas e denominações de origem, e dos diferentesinteresses envolvidos, desde os produtores aos retalhistas, pretende-se compreender a valorizaçãoconferida às características dos vinhos (castas, qualidades, categorias e processos de vinificação e envelhecimento,etc.).
Subject: Humanidades
Humanities
URI: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/115413
Document Type: Artigo em Revista Científica Nacional
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUP - Artigo em Revista Científica Nacional

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
276406.pdf285.21 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.