Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/108469
Author(s): Mariana Melo Maia Barros Magalhães
Title: Cyberbullying e comunicação homofóbica na infância e na adolescência: um estudo exploratório
Issue Date: 2017-11-15
Description: A presente investigação visa estudar as relações entre o cyberbullying e acomunicação de teor homofóbico na adolescência usando para tal as percepçõesretrospectivas de estudantes universitários. Os participantes foram 688 estudantes daUniversidade do Porto, 522 do sexo feminino e 166 do sexo masculino, com idade médiade 22.06 anos, DP = 4.67. O questionário utilizado era composto por 54 itens, entre osquais a Homophobic Content Agent Target Scale, e mede a frequência relativa doscomportamentos associados ao cyberbullying, os alvos da agressão, os meios utilizadospara as agressões e o impacto destas em diversas esferas da vida dos/as participantes, querna perspetiva das vítimas, quer na dos/das agressores/as. Foram identificados 44respondentes vítimas frequentes e 10 perpetradores frequentes de cyberbullying,correspondendo a 6.4% e 1.5% da amostra, respetivamente. Em ambos os grupos,verificou-se um maior número de estudantes do género masculino. O grupo de 44 vítimasfrequentes (28 do sexo feminino e 16 do sexo masculino) receberam proporcionalmentemais do que o dobro do reportado na amostra geral, de mensagens homofóbicas de amigos,de pessoas que não conheciam bem, ou de quem não gostavam, entre outras, confirmandoassim a estreita relação entre o cyberbullying e a comunicação de teor homofóbico.Reportam, ainda, níveis de impacto nas diversas esferas da sua vida, em geral, 3 vezesmaiores do que a amostra total, especialmente nas esferas psicológica e social. Verificámosainda que 6 dos 10 cyberbullies referem também terem sido vítimas frequentes, sugerindohaver alguma relação entre vitimação e agressão no cyberbullying. Contudo, 25% dasvítimas frequentes reportou não ter perpetrado qualquer tipo de cyberbullying, nem sequerocasionalmente. Ademais, foi possível verificar que os/as estudantes percecionados/ascomo LG não são um alvo mais frequente do que os/as estudantes não percecionados/ascomo LG. Quanto aos meios utilizados para levar a cabo a agressão, os chats e asmensagens de texto foram os mais referidos pela nossa amostra em detrimento daschamadas telefónicas e dos emails e que os alvos e os agressores mais frequentes eramamigos dos/das participantes. No geral, não foram encontradas diferenças significativasentre os/as estudantes provenientes de meio rural ou de meio urbano.
Subject: Psicologia
Psychology
Scientific areas: Ciências sociais::Psicologia
Social sciences::Psychology
TID identifier: 201758717
URI: https://hdl.handle.net/10216/108469
Document Type: Dissertação
Rights: openAccess
Appears in Collections:FPCEUP - Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
226881.pdfCyberbullying e comunicação homofóbica na infância e na adolescência: um estudo exploratório1.03 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.