Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/86625
Author(s): Outeirinho, Maria de Fátima
Title: Do lugar do(s) mapa(s) na viagem e seu relato ou muito para além de um atlas oficial
Issue Date: 2016
Abstract: In a study on travel writing, 'Olhares suíços sobre Portugal: de Reynold a Loetscher', Gonçalo Vilas-Boas notes that 'Os afectos assumem também uma importância crucial na construção que os viajantes fazem daquilo que percecionam, influenciando o modo e a atitude de observação' (2011: 160); and in "Olhares sobre a Patagónia', Vilas-Boas reminds that 'Cada viajante estabelece a sua cartografia pessoal, dentro de uma cartografia mais abrangente, mais global.' (2014: 46). In fact, always in relation to space, the other, the world, the graphic and linguistic representation, reflected in the design and in the drawing of a map, became cognitive instrument, point of departure or arrival for whosoever think his being in the world, having or not experienced a physical displacement. From Anaximander's world map to Mademoiselle de Scudéry Carte de Tendre, to even more contemporary concept maps, the process and the mapping dynamics give to see or refigure a personal and / or collective cartography of plenty different faces and purposes. Therefore in our paper, we aim to point out mapping processes and dynamics present in travel literature, or that it summons, allowing the detection of features and even the constants contained in travel writing poetic genre.
Description: Em estudo sobre textos de viagem, 'Olhares suíços sobre Portugal: de Reynold a Loetscher', Gonçalo Vilas-Boas observa que 'Os afectos assumem também uma importância crucial na construção que os viajantes fazem daquilo que percepcionam, influenciando o modo e a atitude de observação (2011:160); e em Olhares sobre a Patagónia, Vilas-Boas lembra que 'Cada viajante estabelece a sua cartografia pessoal, dentro de uma cartografia mais abrangente, mais global.'(2014:46). Na verdade, desde sempre na relação com o espaço, com o outro, com o mundo, a representação gráfica e linguística, traduzida na conceção e desenho de um mapa, tornou-se instrumento cognitivo, ponto de partida ou de chegada, para todo aquele que pensa o seu estar no mundo, experimentando ou não, a deslocação física. Desde o mapa-múndi de Anaximandro à Carte de Tendre surgida com Clélie de Mademoiselle de Scudéry, ou mesmo aos mais contemporâneos mapas conceptuais, o processo e as dinâmicas de mapeamento dão a ver ou refiguram toda uma cartografia pessoal e/ou coletiva de rostos e desígnios muito diversos. Assim, nesta reflexão, proponho-me apontar para processos e dinâmicas de mapeamento presentes na literatura de viagens ou por ela convocados' e que lançam luz sobre traços, até mesmo constantes da poética do género viático.
Subject: Literatura, Línguas e literaturas
Literature, Languages and Literature
Scientific areas: Humanidades::Línguas e literaturas
Humanities::Languages and Literature
URI: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/86625
Document Type: Artigo em Revista Científica Nacional
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUP - Artigo em Revista Científica Nacional

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
160722.pdf775.39 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.