Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10216/80260
Author(s): Teresa Catarina Gonçalves Pires
Title: (Re) Habitar o centro histórico do Porto.
Issue Date: 2013-11-04
Abstract: Hunched over Douro river, Porto enjoys of a unparalleled urban andlandscaping structure. The marks of this specificity are felt in architecture, inthe monuments, in the leisure spaces and even in the streets that draw the city.But no city is homogeneous and even in a small city as Porto's case, we find adiversity of scenarios and several diverging realities. By wandering in the city'shistorical area, it's quite evident the abandonment of buildings in general, thedegradation growth and more important than that, the lack of "Porto'spopulation".Rehabilitation as a subject in a city like Porto, it's not new, a lot hasbeen already said, written or even laid into practice. The truth is quite visibleand although many things have been made, the degrading image of thehistorical area remains. Almost 40 years have passed since CRUARB'sinterventions and more 10 years of Porto Vivo SRU's interventions, thebreaking of activity, the consequential abandonment of buildings and the lossof population, remain to be a great problem for the city's development. In full21st century, the city transforms itself in a different rhythm, everything runsfaster and more emergent, the social and individual instability is bigger andgrows more rapidly.This thesis was started by analyzing the city center's reality.Several problems were found and since then it was necessary to choosean area so that some points could be deeply studied, a superficial analysiswouldn't be enough to get to the main point: why the degradation, whynowadays it still takes place?This dissertation aims to study Reboleira Street, one of the most antiqueand relevant streets in the historical and commercial context of Porto but also one of the most degraded and abandoned in the historical center. The proximityto Cais da Ribeira makes it part of the touristic routes, tourists being the onlyones who give it life. The historical importance of the houses that compose it,although relevant for touristic purposes, seems not to be when we talk abouttemporary living.This dichotomy permanent living versus tourism is something currentlywidely discussed. It's believed that tourism can be the great development forcefor the country, but what about the population?In a time that most Portuguese and foreigner young people want indeedto live/occupy Porto's downtown, it is important to think about this balancebetween the population that actually lives there and the ones that want to live,not excluding tourism but without making it the only important point in thisstory that has been repeating itself.It's quite important to understand the tradition, the why is that piece ofthe city so relevant? And the why is it more expensive to rehabilitate instead ofbuilding new houses?To build in this moment it might not be the best solution. Both of ourhistorical, industrial and even social patrimony was replaced throughout thetimes, now only the memories of the people which today remembers of how itwas "in the good old days" remain, of how they were happy when everyoneknew each other and had a cafe, a grocery store and a job close to home.The evolution of "city", the new centers and suburbs that appearedthrough the development and expansion of it, also generated an entiredecreasing of population in the center. Throughout 50 years, Porto's historicalcenter came from too much populated to uninhabited.More than rehabilitating the buildings, it's necessary to restore the cityvalues, to generate a happy mood in society, seek for the interest in thehistorical center and revitalize a new urban dynamics, both in technical andsocial levels.
Description: Debruçada sobre o rio Douro, a cidade do Porto desfruta de umaestrutura urbanística e paisagística inigualável. As marcas desta especificidadesentem-se na Arquitectura, nos monumentos, nos espaços de lazer e até nasruas que a desenham. Mas, nenhuma cidade é homogénea e mesmo numapequena urbe, como é o caso do Porto, encontramos cenários diversos erealidades divergentes. Vagueando pela zona histórica da cidade, é notório oabandono do edificado, a crescente degradação e mais importante que isso, afalta da dita "população portuense".O tema da reabilitação numa cidade como o Porto não é nada de novo,muito já foi dito, escrito e até posto em prática. A realidade é visível e, emboratanto tenha sido feito, a imagem degrada da zona histórica da cidade mantémse.Passados quase 40 anos desde as intervenções do CRUARB e mais 10 deintervenções do Porto Vivo SRU, a quebra de actividade e o consequenteabandono de edificado e perda de população, continuam a ser a grandeproblemática que impede o desenvolvimento da cidade. Em pleno século XXI ,a cidade transforma-se a um tempo diferente do passado, tudo é mais rápido emais emergente, a instabilidade social e individual é maior e cresce a um ritmomais acelerado.A presente prova foi começada através de uma análise à realidade docentro da cidade. Foram vários os problemas encontrados e então foinecessário escolher uma zona de estudo para que alguns pontos fossemestudados mais a fundo, uma caracterização superficial não seria suficientepara chegar ao cerne da questão: o porquê da degradação, porque é que hojeainda se verifica esta situação.Esta tese pretende estudar a Rua da Reboleira, uma das mais antigas erelevantes no contexto histórico mercantil da cidade, mas também uma dasmais degradadas e mais abandonadas do centro histórico. A proximidade aocais da Ribeira torna-a parte das visitas turísticas ,sendo mesmo os turistas, asúnicas pessoas que lhe dão "vida". A importância histórica das casas que a compõe, embora relevante para fins turísticos, não o parece ser quando falamosem vivência não temporária.Esta dicotomia, habitação permanente/turismo é algo muito debatidoactualmente. Crê-se que o turismo poderá ser a grande potência dedesenvolvimento do país, mas e então a população?Num tempo em que muitos jovens portugueses e estrangeiros queremefectivamente viver/ocupar a baixa do Porto, é importante reflectir sobre estebalanço entre a actual população que lá vive e quem quer ir viver para lá agora,não pondo de parte o turismo, mas sem fazer dele o único ponto importantenesta história que já há muito se repete.É pertinente também perceber a tradição, o porquê da importânciadaquele pedaço da cidade, porque é que tantas vezes se ouve que reabilitar umacasa na baixa é mais caro que construir de novo.Construir neste momento talvez não seja mais a solução. Tanto donosso património histórico, industrial e até social foi substituído ao longo dostempos, perduram as memórias das pessoas que ainda hoje se lembram decomo era "naquela altura", como eram felizes quando todos se conheciam etinham um café, uma mercearia, um trabalho perto de casa.A evolução de "cidade", os novos centros e periferias que sepropiciaram através do desenvolvimento e expansão desta, geraram tambémtodo um crescente despovoamento do centro. Ao longo dos últimos 50 anos, ocentro histórico do Porto passou de demasiado povoado a desertificado.Mais do que recuperar o edificado, é preciso recuperar os valores decidade, gerar ânimo na sociedade, procurar o interesse no regresso ao centrohistórico , revitalizar novas dinâmicas urbanas, tanto a nível técnico como anível social.
Subject: Artes
Arts
TID identifier : 201546760
URI: http://hdl.handle.net/10216/80260
Document Type: Dissertação
Rights: openAccess
License: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/
Appears in Collections:FAUP - Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
23516.pdf(Re) Habitar o centro histórico do Porto.166.05 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons