Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/64783
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorSantos, Helder
dc.creatorMarques, Teresa Sá
dc.date.accessioned2019-02-02T12:37:12Z-
dc.date.available2019-02-02T12:37:12Z-
dc.date.issued2012
dc.identifier.issn2182-1267
dc.identifier.othersigarra:76847
dc.identifier.urihttps://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/64783-
dc.descriptionO objetivo é analisar os atores do HCP, quanto ao número e conhecimento e comparar com outros clusters institucionais à escala global. Assumindo a visão da revolução da biotecnologia, explora-se o processo de desintegração da cadeia de valor da indústria farmacêutica e a sua reconfiguração na cadeia de valor das biociências/biotecnologia dirigida à saúde humana. Guiados pela imagem conceptual dos megacentros de biociências, desenvolve-se um quadro teórico destacando as dimensões territoriais.São identificados e caraterizados os atores principais, assim como a tendência para se constituírem num estrutura territorial em rede hierarquizada. Conclui-se que o perfil do HCP, em comparação com os clusters analisados, é mais centrado no exploration knowledge e menos desenvolvido no exploitation knowledge.
dc.language.isopor
dc.rightsopenAccess
dc.rights.urihttps://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/
dc.subjectCiências sociais
dc.subjectSocial sciences
dc.titlePodemos ambicionar um Megacentro de Biociências? Uma análise comparativa centrada no Health Cluster Portugal
dc.typeArtigo em Revista Científica Nacional
dc.contributor.uportoFaculdade de Letras
dc.identifier.doi10.17127/got/2012.2.011
dc.subject.fosCiências sociais
dc.subject.fosSocial sciences
Appears in Collections:FLUP - Artigo em Revista Científica Nacional

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
76847.pdf878.89 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons