Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/157196
Author(s): Jacinto Nuno da Costa Azevedo
Title: Aggression in antisocial personality disorder
Issue Date: 2023-03-03
Abstract: Antisocial personality disorder (ASPD) is a pervasive and persistent pattern of behaviour and emotional response, with poor prognosis and difficult treatment. It is characterised by a failure to conform to lawful and ethical behaviour along with an egocentric, callous lack of concern for others characterized by deceitfulness, irresponsibility, manipulativeness, risk taking, and high levels of impulsivity. In the scope of ASPD, aggression is a common symptom, and most times patients end up in criminal behaviour. The project of this thesis was conceived in a context of increasing concerns and difficulties while approaching ASPD patients, mainly those with criminality associations, and their most common manifestations and comorbidities. The thesis herein presented is a compilation of the results obtained through the implementation of six observational studies including male offenders incarcerated in a medium-high security penitentiary institution in the North of Portugal (sentences longer than 10 years); it also provides an overview of the underlying context. Chapter 1 includes an Introduction focused on ASPD, as a psychiatric disorder, as well as on its etiology, diagnosis, neurobiology, and treatment. The following sections provide an overview of the most common traits and comorbidities of ASPD including aggression, impulsivity, and substance use disorders (SUD), with focus on their neurobiological context, treatment approaches, correlation with psychiatric disorders and trauma. This chapter included also the main concepts of a project involving the use of functional near-infrared spectroscopy (fNIRS) to collect psychophysiological variables and define behavioral and brain response patterns, in individuals performing a social decision task is. The psychometric instruments used for the assessment and xiv diagnosis of patients with psychiatric disorders and the particularities and challenges of the prison environment are also explored. In the scope of this thesis, diagnosis was perfomed in the context of a psychiatric consultation, resorting to the Portuguese validated version of the Mini-International Neuropsychiatric Interview (MINI), which also enabled the identification of substance use disorders (SUD). The characterization of aggression type was performed with the Portuguese validated version of the Impulsive Premeditated Aggression Scale (IPAS). Impulsivity was assessed through the adapted and validated Portuguese version of the Barratt Impulsiveness Scale Version 11 (BIS-11). Psycopathic traits were evaluated by the Psychopathy Checklist-Revised (PCL-R) version that was previously validated in Portuguese samples. The severity of drug dependence was measured by the European version of the Addiction Severity Index (EuropASI). Chapters 2 to 6 consist of the resulting scientific articles, either in the format of accepted manuscript (chapters 2-4) or in the format of submitted article (chapters 5 and 6). Chapter 7 presents the background and the preliminary results of a study on the correlation of physical and emotional trauma in early childhood with psychiatric disorders. Chapter 2 is related to a study that intended to determine the validity and reliability of IPAS, in a cohort of 240 Portuguese inmates with history of aggression in the past 6 months. The results evidenced that the Portuguese translated version of IPAS has adequate psychometric properties, allowing the measurement of impulsive and premeditated dimensions of aggression. Chapter 3 consists of the published version of the manuscript resulting from a study that intended to characterise impulsive and premeditated aggression in male ASPD offenders and to determine the potential role of SUD, impulsivity, and psychopathic xv traits as predictors. The study included 134 imprisoned violent offenders and showed that ASPD patients with impulsive aggression had significantly lower scores of total PCL-R (p<0.01) factor 1 and interpersonal facet 1 p<0.05), compared with ASPD patients with premeditated aggression. BIS-11 mean scores and the prevalence of SUD was similar in ASPD patients with impulsive and premeditated aggression. The interpersonal facet 1of the PCL-R predicted the aggression type (p<0.05). Chapter 4 comprises the scientific article that included the results of a cross section study based on the evaluation of the association between soluble catechol-O-methyl transferase (s-COMT) activity and impulsive and premeditated aggression in a population of violent offenders with confirmation of the results by genotyping. The sample included 46 male inmates that were referred to the psychiatry clinical services, after preforming acts of physical aggression towards other inmates. The results revealed that Individuals displaying impulsive aggression showed lower s-COMT erythrocyte activity (p=0.026) and lower frequency of Val/Val (rs4680) genotype than individuals with premeditated aggression (p=0.047). s-COMT erythrocyte activity was positively correlated with the PCL-R total score (r=0.34; p=0.018). Chapter 5 includes a case control study based on the evaluation of the dopaminergic function of imprisoned SUD offenders through of the correlation between s-COMT activity, impulsivity, and dependence severity. The study included 46 male inmates, recruited that were referred to the psychiatry clinical services due to SUD and as a part of a methadone treatment plan. The results evidenced that in individuals with SUD, s-COMT activity is correlated with the severity of drug dependence (EuropASI) (p<0.05), and with BIS-11 factors self-control (p<0.0001) and non-planning (p=0.002). Chapter 6 incorporates the scientific article resulting from a case control study focused on the role of homocysteine in ASPD. The sample included 96 imprisoned violent xvi offenders. Individuals with ASPD had higher scores in all PCL-R factors than individuals without ASPD (p=0.0001). Regarding homocysteine levels, 37% of the ASPD participants and 14% of those without ASPD showed values above 15 μmol/L (p=0.01). Chapter 7 consists of a report focused on preliminary results of a study on the correlation between early childhood trauma and personality development in a cohort of imprisoned males, addressing ASPD, SUD, psychopathy, anxiety, depression, impulsivity, and suicidal tendencies. These preliminary results showed that, even though the presence of psychiatric disorders was similar in individuals with and without trauma, the trauma group presented significantly higher score in the family and social EuropASI factors (p=0.01), and lower score in the F4 facet (antisocial) of PCL-R (p=0.01). Overall, the implemented studies highlighted the need of characterizing aggression in its subtypes in ASPD violent patients and the potential of the dopaminergic system as target for the integrated management of impulsive aggression, SUD and impulsivity. The role of homocysteine on ASPD was also evidenced opening the possibility of novel target treatments.
Description: A perturbação de personalidade antissocial (DPAS) é um padrão de comportamento e resposta emocional persistente e generalizado, com mau prognóstico e tratamento difícil. Caracteriza-se por uma incapacidade em aderir a um comportamento legal e ético e por uma falta de preocupação egocêntrica e insensível com os outros, caracterizada irresponsabilidade, comportamentos de risco e altos níveis de impulsividade. No âmbito do DPAS, a agressão é um sintoma comum resultando, na maioria dos casos, em comportamento criminoso. O projeto desta tese foi concebido num contexto de crescentes preocupações e dificuldades ao abordar os pacientes com DPAS e as suas manifestações e comorbilidades mais comuns, sobretudo em situações de criminalidade. A tese aqui apresentada é uma compilação dos resultados obtidos através da implementação de seis estudos observacionais, que incluiram homens detidos numa instituição prisional de segurança média-alta no Norte de Portugal (penas superiores a 10 anos). O documento fornece também uma visão geral do contexto subjacente. O capítulo 1 inclui uma Introdução centrada no DPAS, como uma doença psiquiátrica, bem como na sua etiologia, diagnóstico, neurobiologia e tratamento. As secções seguintes fornecem uma visão geral das características e comorbilidades mais comuns do DPAS incluindo agressão, impulsividade e perturbações relacionadas com o abuso de drogas, com foco no seu contexto neurobiológico, tratamento, correlação com perturbações psiquiátricas e traumas. Este capítulo inclui também os principais conceitos de um projeto que envolve a utilização de espectroscopia funcional do infravermelho próximo (fNIRS) para recolher variáveis psicofisiológicas e definir padrões comportamentais e de resposta cerebral, em indivíduos que desempenham uma tarefa de decisão social. Os instrumentos psicométricos utilizados para a xviii avaliação e diagnóstico de doentes com perturbações psiquiátricas e as particularidades e desafios do ambiente prisional são também explorados. No âmbito desta tese, o diagnóstico foi efetuado no contexto de uma consulta psiquiátrica, recorrendo à versão portuguesa validada da Mini-International Neuropsychiatric Interview (MINI), que também permitiu a identificação de perturbações relacionadas com o abuso de substâncias. O tipo de agressão foi avaliado recorrendo à versão portuguesa validada da Impulsive Premeditated Aggression Scale (IPAS). A impulsividade foi avaliada através da versão portuguesa adaptada e validada da Barratt Impulsiveness Scale Version 11 (BIS-11) e os traços psicopáticos através da Psychopathy Checklist-Revised (PCL-R) previamente validada em amostras portuguesas. A gravidade da toxicodependência foi medida pela versão europeia do Addiction Severity Index (EuropASI). Os capítulos 2 a 6 incluem os artigos científicos resultantes dos estudos referidos, quer no formato de manuscrito aceite para publicação (capítulos 2-4) ou no formato de artigo submetido (capítulos 5 e 6). O capítulo 7 apresenta o contexto e os resultados preliminares de um estudo sobre a correlação de traumas físicos e emocionais na primeira infância com perturbações psiquiátricas. O capítulo 2 está relacionado com um estudo que pretendeu determinar a validade e fiabilidade da escala IPAS, numa coorte de 240 reclusos portugueses com antecedentes de agressão nos últimos 6 meses. Os resultados evidenciaram que a versão portuguesa traduzida do IPAS tem características psicométricas adequadas, permitindo a medição das dimensões impulsiva e premeditada da agressão. O capítulo 3 consiste na versão publicada do artigo resultante de um estudo que pretendeu caracterizar a agressão impulsiva e premeditada em agressores masculinos com DPAS e determinar o papel potenciais preditores como a xix toxicodependência, impulsividade e traços psicopático. O estudo incluiu 134 agressores violentos presos e revelou que pacientes com agressão impulsiva tinham scores significativamente mais baixos da PCL-R total e todos os seus fatores (p=0,01), em comparação com pacientes com DPAS com agressão premeditada. A pontuação média do BIS-11 e a prevalência de toxicodependência foi semelhante em ambos os grupos. A faceta interpessoal 1 da PCL-R previu o tipo de agressão (p<0,05). O capítulo 4 inclui o artigo científico que compila os resultados de um estudo transversal baseado na avaliação da associação entre a actividade de catecol-O-metil transferase solúvel (s-COMT) e a agressão impulsiva e premeditada, numa população de agressores violentos com confirmação dos resultados por genotipagem. A amostra incluiu 46 reclusos masculinos que foram encaminhados para os serviços clínicos psiquiátricos após a realização de atos de agressão física contra outros reclusos. Os resultados revelaram que os indivíduos com agressão impulsiva apresentaram uma actividade da s-COMT mais baixa (p=0,026) e menor frequência do genótipo Val/Val (rs4680) do que os indivíduos com agressão premeditada (p=0,047). A atividade da s-COMT foi positivamente correlacionada com a pontuação total da PCL-R (r=0,34; p=0,018). O capítulo 5 inclui um estudo caso-controlo baseado na avaliação da função dopaminérgica de infratores com toxicodependência, através da correlação entre a actividade da s-COMT, a impulsividade e a gravidade da dependência. O estudo incluiu 46 reclusos masculinos que foram encaminhados para os serviços clínicos psiquiátricos devido à toxicodependência, como parte de um plano de tratamento com metadona. Os resultados evidenciaram que em indivíduos com toxicodependência, a actividade da s-COMT está correlacionada com a gravidade da dependência xx (EuropASI) (p<0,05), e com os fatores autocontrolo (p<0,0001) e não-planificação (p=0,002) da escala BIS-11. O capítulo 6 incorpora o artigo científico resultante de um estudo de caso-controlo centrado no papel da homocisteína em indivíduos violentos com DPAS. Os indivíduos com DPAS tinham pontuações mais elevadas em todos os fatores da PCL-R do que os indivíduos sem DPAS (p=0,0001). Relativamente aos níveis de homocisteína, 37% dos participantes com DPAS e 14% dos que não tinham DPAS apresentaram valores acima de 15 μmol/L (p=0,01). O capítulo 7 consiste num relatório centrado nos resultados preliminares de um estudo sobre a correlação entre o trauma devido a eventos traumáticos na primeira infância e o desenvolvimento da personalidade numa coorte de homens presos, abordando a DPAS, toxicodependência, psicopatia, ansiedade, depressão, impulsividade e tendências suicidas. Estes resultados preliminares mostraram que, embora a presença de perturbações psiquiátricas fosse semelhante em indivíduos com e sem trauma, o grupo com trauma apresentou uma pontuação significativamente mais elevada nos fatores família e social da EuropASI (p=0,01) e uma pontuação mais baixa na faceta F4 (antissocial) da PCL-R (p=0,01). De um modo geral, os estudos implementados evidenciaram a importância de caracterizar a agressão nos seus subtipos em pacientes violentos com DPAS e o potencial do sistema dopaminérgico como alvo para a gestão integrada da agressão impulsiva, toxicodependência e impulsividade. O papel da homocisteína no DPAS foi também evidenciado, abrindo a possibilidade de novos tratamentos mais direcionados.
Subject: Ciências da saúde
Health sciences
Scientific areas: Ciências médicas e da saúde::Ciências da saúde
Medical and Health sciences::Health sciences
URI: https://hdl.handle.net/10216/157196
Document Type: Tese
Rights: openAccess
License: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
Appears in Collections:FMUP - Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
659964.JPGAggression in antisocial personality disorder1.62 MBJPEGThumbnail
View/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons