Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/129559
Author(s): Rui Filipe Ferreira Alves
Title: O Carro como Castelo entre Castelos. Os sinais do presente para o desenho da cidade no futuro. Porto, Milão, Los Angeles
Issue Date: 2019-11-05
Abstract: The evolution of cities under the magnitude of the influence of the car being the 'mobility tool' o choice, through the loud threat of the environmental issues and, for the last 50 or so years, the political will changing in favour of the public ("group", "collective") transport. By studying three different types of cities, in two different continents and three different ways of development of the "addiction to the car" - Los Angeles, as the American way of planning, living and "full on addiction" to the car; Milan as the "European way of planning", on the cutting edge of innovation regarding mobility, with several (more, or less successful) solutions to contain traffic and pollution; Porto, as the Portuguese example and demonstration of "being late to the party", with dated solutions and a constant search for bettering them -, it seems to be very hard to introduce the concept of collective transport in an increasingly individual society which lives their daily routines in an increasingly bigger territory. This also seems to be true regardless of the sheer size of the territory and country, the way it was designed and shaped, when it started being developed and the economical, energy and environmental crisis the world has gone through. The uses of the city and the way to "enjoy" cities changed due to mobility - the concept of speed changed and circulating through cities became their main use. The increasing concerns with the environmental issues, mainly caused by the car and industry weren't the only oppositions to individual mobility, and the trend of city design has long been to remove cars, to "collectivize" mobility or make it "lighter". The evolution of the cities was, then, shaped by the car and way we've used over the last one and a half centuries - but how can we make mobility, using the car less as whole or "less and less", more bearable, not only for the environment, for the cities. The proposed idea in this document is a mix of individual and collective mobility, seeking a way to coordinate the individual paths of the people who are part of a collective society which inhabits the cities and helps plan and design them.
Description: A evolução das cidades nos últimos 150 anos foi moldada pela indústria, automóvel em específico, e pelo carro, pela mobilidade individual exigida pelas alterações sociais que tornaram os objectivos pessoais diversos e dispersos. Como consequência/resultado desta individualização da sociedade mas também como elemento potenciador da mesma, o carro foi um ponto chave do urbanismo, do planeamento urbano e desenho (urbano, a escalas maiores, e arquitectónico, no edificado) das cidades. O "vício do carro", justificado pela eficiência (de tempo, em parte, de espaço, de consumo imediato), versatilidade e conforto do seu uso, ainda hoje vigora, mesmo com as grandes alterações políticas, crises económicas e energéticas a que temos vindo a assistir desde a década de (19)60/70. São estudados três contextos diversos, três formas de "fazer, crescer e manter" cidade, em dois continentes diferentes: Los Angeles, como o paradigma extremo americano, o "vício do carro" sob forma de cidade; Milão, como uma cidade na vanguarda da inovação relativa ao desenho urbano e soluções de mobilidade que se encaixam nos usos da cidade; Porto, como exemplo Português, como o "chegar atrasado" e constantemente tentar compensar, melhorar, soluções datadas e, por vezes, erradas. São estudados os sistemas do passado, desde há cerca de 150 anos atrás, procurando perceber como se chegou ao estado actual e como se poderá evoluir a partir de agora, através do estudo dos planos vários apresentados por entidades locais. O objectivo do estudo comparativo é reunir um leque de soluções, de ideias e escalas diferentes que se possam aplicar ao contexto do Porto, visando uma melhoria da situação caótica de trânsito, dos problemas de poluição e ocupação de espaço excessiva por carros em circulação na cidade, utilizando soluções "ligeiras" que procuram resultados mais "pesados": uma "mistura" da mobilidade individual que serve as necessidades de cada pessoa com a mobilidade colectiva que junta essas necessidades, quando viável, tornando mais comportável o ambiente urbano da cidade através da libertação de artérias principais e de espaços sobrecarregados do Porto.
Subject: Artes
Arts
Scientific areas: Humanidades::Artes
Humanities::Arts
URI: https://hdl.handle.net/10216/129559
Document Type: Dissertação
Rights: openAccess
Appears in Collections:FAUP - Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
424815.pdfO Carro como Castelo entre Castelos. Os sinais do presente para o desenho da cidade no futuro. Porto, Milão, Los Angeles131.38 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.