Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/117984
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorJorge Fernando Pereira Sinval
dc.date.accessioned2019-06-22T16:45:43Z-
dc.date.available2019-06-22T16:45:43Z-
dc.date.issued2018-12-17
dc.date.submitted2018-12-21
dc.identifier.othersigarra:304904
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/10216/117984-
dc.descriptionAssiste-se atualmente a mudanças na relação do trabalhador com o seu trabalho, que, em conjunto com a recente crise económica mundial levou ao aumento dos fluxos migratórios de trabalhadores, nomeadamente entre países com afinidades históricas sociais e culturais, como é o caso de Portugal e Brasil. Este estudo pretende adaptar transculturalmente vários instrumentos e testar um modelo teórico, comum aos dois países, que relaciona o impacto de variáveis psicológicas na perceção de saúde ocupacional e consequente influência na performance, presentismo e absentismo em organizações dos dois países. Para tal efetuou-se a adaptação de instrumentos úteis para os investigadores e profissionais de organizações brasileiras e portuguesas. O modelo ilustra o impacto que um grupo de variáveis psicológicas (satisfação no trabalho, qualidade de vida no trabalho, instabilidade no emprego, abertura perante mudança organizacional, clima organizacional) podem ter na perceção de saúde ocupacional (saúde, engagement no trabalho, burnout) e, como consequência, na performance, presentismo e absentismo. Os dados foram recolhidos online junto de 1,627 trabalhadores (858 no Brasil e 769 em Portugal), com participação anónima e voluntária. A média de idades foi de 36 anos, sendo 65% do sexo feminino e com várias ocupações profissionais. Os construtos psicológicos medidos pelos instrumentos adaptados transculturalmente para uma versão comum de português falado em Portugal e no Brasil foram: engagement no trabalho (UWES-9), burnout (OLBI), qualidade de vida no trabalho (QWLS), clima organizacional (OCS-12), abertura perante mudança organizacional (OTOCS), satisfação no trabalho (IJS), instabilidade no emprego (JIS), saúde, performance, presentismo e absentismo (HPQ). Os resultados permitiram demonstrar que os instrumentos apresentam evidências de validade adequadas. O efeito das variáveis psicológicas na saúde ocupacional e os efeitos da saúde ocupacional na performance foram semelhantes nos dois países, contudo com diferenças estatisticamente significativas em algumas trajetórias. O melhor preditor da saúde ocupacional foi a satisfação no trabalho, enquanto que a saúde ocupacional é um preditor altamente significativo da performance. Concluiu-se que as relações entre a saúde ocupacional e as suas variáveis antecedentes e desfechos podem variar entre países.
dc.language.isoeng
dc.rightsrestrictedAccess
dc.subjectPsicologia
dc.subjectPsychology
dc.titleOccupational health: instruments and models
dc.typeTese
dc.contributor.uportoFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
dc.identifier.tid101401418
dc.subject.fosCiências sociais::Psicologia
dc.subject.fosSocial sciences::Psychology
thesis.degree.disciplinePrograma Doutoral em Psicologia
thesis.degree.grantorFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
thesis.degree.grantorUniversidade do Porto
thesis.degree.level2
Appears in Collections:FPCEUP - Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
304904.pdf
  Restricted Access
Occupational health: instruments and models4.1 MBAdobe PDF    Request a copy from the Author(s)


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.