Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10216/112877
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorAna Raquel Freitas Simões Almeida
dc.date.accessioned2019-02-01T04:24:48Z-
dc.date.available2019-02-01T04:24:48Z-
dc.date.issued2018-07-10
dc.date.submitted2018-07-12
dc.identifier.othersigarra:273363
dc.identifier.urihttps://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/112877-
dc.descriptionA prevalência da doença mental em Portugal é uma das mais elevadas da Europa, cerca de de 23%, dos quais 6% se referem a doenças mentais graves, como é o caso das perturbações psicóticas (Carvalho & Xavier, 2016). Estas últimas têm um curso tendencialmente crónico, implicando a necessidade de autogerir a doença, essencial para que as pessoas com esse diagnóstico sejam capazes de lidar com os sintomas e viver uma vida funcional e satisfatória. A autogestão é um processo dinâmico e diário e que implica tomar escolhas e decisões informadas, aspecto concordante com o paradigma do recovery. Nos últimos anos surgiram várias tecnologias que dão suporte a esta abordagem preconizando o papel ativo da pessoa na sua recuperação.Este trabalho teve como objetivo desenvolver, implementar e avaliar o impacto da weCope, aplicação móvel para autogestão da doença em pessoas com perturbações psicóticas.Após revisão da literatura e levantamento de aplicações deste carácter existentes, realizou-se um survey online a 102 pessoas com experiência de doença mental e um focus group com 5 profissionais de diferentes áreas a exercer funções em Saúde Mental e Reabilitação Psicossocial. Em seguida foi construído um protótipo, que inclui quatro módulos: monitorização de sintomas, resolução de problemas, relaxamento e definição de objetivos.Os testes de usabilidade foram realizados durante 8 semanas por 9 pessoas com o diagnóstico de Esquizofrenia, utentes da Associação Nova Aurora na Reabilitação e Reintegração Psicossocial (ANARP), com recolha de dados de seis instrumentos de avaliação antes e depois do uso da aplicação.Apesar da necessidade de mais investigação nesta área, encontraram-se melhorias significativas, nomeadamente no sentimento de empowerment, satisfação com o suporte social e autoeficácia, entre outros, o que sugere que a weCope parece contribuir para uma perceção subjetiva do melhor bem-estar e condição de saúde do paciente.
dc.language.isopor
dc.rightsopenAccess
dc.subjectPsicologia
dc.subjectPsychology
dc.titleweCope: desenvolvimento e implementação de uma aplicação móvel para autogestão da doença em pessoas com perturbações psicóticas
dc.typeTese
dc.contributor.uportoFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
dc.identifier.tid101507941
dc.subject.fosCiências sociais::Psicologia
dc.subject.fosSocial sciences::Psychology
thesis.degree.disciplinePrograma Doutoral em Psicologia
thesis.degree.grantorFaculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
thesis.degree.grantorUniversidade do Porto
thesis.degree.level2
Appears in Collections:FPCEUP - Tese

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
273363.pdfweCope: desenvolvimento e implementação de uma aplicação móvel para autogestão da doença em pessoas com perturbações psicóticas3.08 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.